«O controlo protege os refugiados», António Nunes, presidente da OSCOT

Os refugiados acolhidos em Portugal devem ser alvo de vigilância por parte das autoridades de segurança?
Devem, por duas razões. A primeira é que a vigilância sobre as comunidades de deslocados não tem nada de errado. São atos de prevenção que todos os Estados tomam em relação a qualquer pessoa deslocada. Portanto é normal que os refugiados sejam sujeitos a medidas de controlo como qualquer outro cidadão. Em segundo lugar porque os refugiados podem eles próprios beneficiar com esta vigilância, no sentido de evitar eventuais tentativas de infiltração de elementos radicalizados que possam perturbar aquilo que é, globalmente, o bom nome dos refugiados. Este controlo protege-os.

Entrevista publicada no Diário de Notícias, dia 21 de setembro de 2016.

Ler mais aqui